CONHEÇA NOVA FRIBURGO
Nova Friburgo
População total: 178102 habitantes
População urbana: 151820 habitantes
População rural: 21501 habitantes
Área: 938.5 km²
Densidade demográfica: 191 hab/km²
Atividades econômicas principais:
Indústria de Moda íntima
Olericultura (hortaliças em geral)
Caprinocultura
Indústria (Têxteis, Vestuário, Metalúrgicas etc)
História
Nova Friburgo foi inicialmente colonizada por 261 famílias suíças entre 1819-1820, totalizando 1.682 imigrantes. O município foi batizado pelos suíços ganhando o nome de "Nova Friburgo" em homenagem à cidade de onde partiram a maioria das famílias suíças, Fribourg (Friburgo em português, Fribourg em francês, Freiburg em alemão), no Cantão de Fribourg. É também o primeiro município no Brasil colonizado por alemães, tendo estes imigrantes, ao todo 332, chegado à cidade em 3 e 4 de maio de 1824[3], dois meses antes de São Leopoldo (Rio Grande do Sul). Quem nasce no município é chamado de Friburguense.

Nova Friburgo foi a primeira colônia não lusitana a ser fundada no Brasil, tornando-se a verdadeira Suíça Brasileira.

Em 16 de maio de 1818 o Rei D. João VI, sentindo a necessidade de uma colonização planejada, a fim de promover e dilatar a civilização do Reino do Brasil, baixou um Decreto que autorizou o agente do Cantão de Friburgo, na Suíça, Sebastião Nicolau Gachet, a estabelecer uma colônia de cem famílias suíças na Fazenda do Morro Queimado, no Distrito de Cantagalo, localidade de clima e características naturais idênticas às de seu país de origem.

Foi nomeado inspetor da projetada colônia o monsenhor Pedro Machado de Miranda Malheiros, que, de imediato, tratou da aquisição dos terrenos necessários à dita empresa; adquiriu duas datas de terra com meia légua de testada cada uma, pertencentes a Manuel de Sousa Barros e a José Antônio Ferreira Guimarães, e também a sesmaria chamada Morro Queimado, que pertencera a Lourenço Correia Dias, na qual, mercê de seu clima ameno e da sua situação topográfica, foi instalada a sede da colônia que tomou o nome de Nova Friburgo.

Entre 1819 e 1820 chegavam a Nova Friburgo 261 famílias de colonos suíços, 161 a mais do que havia sido combinado nos contratos, formando-se assim o núcleo inicial da povoação. Sabendo o quão promissora era a cooperação desses estrangeiros para com a nova pátria, o Governo Real subscreveu, a 3 de janeiro de 1820, um Alvará elevando Nova Friburgo à categoria de vila, desmembrando para isso suas terras das de Cantagalo. A instalação da vila deu-se a 17 de abril desse mesmo ano.

Após a proclamação da Independência do Brasil (1822), o Governo Imperial enviou o Major George Antônio Scheffer à Alemanha a fim de ali contratar a vinda de imigrantes para as colônias de Leopoldina e Frankenthal estabelecidas na então Província da Bahia desde 1816, às margens dos rios Caravelas e Viçosa. Por motivos ignorados esses colonos acabaram sendo enviados a Nova Friburgo, onde chegaram a 3 e 4 de maio de [[1824]; eram 80 famílias - encabeçadas pelo pastor Frederico Sauerbronn - que foram carinhosamente recebidas por Monsenhor Miranda, então readmitido no cargo de inspetor, do qual se exonerara.

Esse sistema especial de administração da colônia por intermédio de um Inspetor designado pelo Governo Imperial vigorou até 1831; a partir desse ano a jurisdição passou a ser superintendida pela Câmara da Freguesia, a exemplo das outras vilas brasileiras.

Finalmente, a 8 de janeiro de 1890, Nova Friburgo foi elevada à categoria de cidade, tendo sua população aumentado com a chegada de imigrantes italianos, portugueses e sírios.

Em 1872, o Barão de Nova Friburgo trouxe até a região os trilhos da Estrada de Ferro Leopoldina a fim de escoar a sua produção de café proveniente de Cantagalo.

A partir de 1910, Nova Friburgo que até então devia o seu progresso ao desenvolvimento da agricultura e ao seu clima seco ideal para município de veraneio, viu chegar vários cidadãos de iniciativa, tais como Conselheiros Julius Arp, Maximilian Falck e William Peacock Denis, que foram os pioneiros da era industrial friburguense. A estes se juntaram outros elementos de valor, provocando o surto de progresso verificado até meados dos anos de 1980.

Nova Friburgo durante sua colonização 1820-1830.Com a melhoria dos meios de comunicação com as cidades do Rio de Janeiro e Niterói por rodovias pavimentadas, a indústria de turismo incorporou-se às demais fontes de renda da municipalidade. Paralelamente, mantém-se o comércio local, uma das fontes de economia da comunidade.

Quanto à ferrovia, foi desativada no final da década de 1960. Porém, existe uma indicação legislativa de autoria do deputado Rogério Cabral (PSB), em trâmite desde 2007, para trazer de volta essa modalidde de transporte com fins turísticos.


Economia
O município tem um forte apelo para o turismo devido à sua paisagem, aos seus rios e trilhas, e a seus lugares bucólicos. A rede hoteleira instalada é a segunda do estado, perdendo apenas para a capital do estado, Rio de Janeiro. O distrito urbano é procurado por famílias e casais devido ao clima frio, à tranquilidade e o romantismo. Friburgo possui também atrações afastadas de centro, procuradas por praticantes de ecoturismo e esportes de aventura. Um dos distritos mais conhecidos é o vilarejo de São Pedro da Serra.

O município também é conhecido como a Capital Nacional da Moda Intíma, por sua enorme produção (em torno de R600 milhões de reais) com grande variedade de modelos. Suas marcas estão começando a competir no mercado exterior (exporta atualmente 4,6 milhões de dólares). Segundo estimativas Nova Friburgo produz em torno de 30% deste segmento no país.

Nova Friburgo é a segunda maior produtora de flores do Brasil, sendo superada apenas por Holambra, em São Paulo. Nos últimos anos, o município tem recebido muitos estudantes, que procuram as universidades do município e mais tranquilidade, fugindo da violência dos grandes centros.

Apesar da grande tradição industrial trazida pela imigração alemã desde o final do século XIX com exemplos de fábricas como a Arp Fios e Bordados, Ypu, Filó, Sinimbu, entre outras, desde 1990 o município tem experimentado um lento crescimento econômico, principalmente no setor indústrial , mas que desde 2004 vem se recuperando expressivamente. Esse período foi marcado em todo país pela abertura do mercado interno às importações, realizada pelo então presidente Fernando Collor de Mello. As principais indústrias do município são do setor têxtil, seguido pelo setor metalúrgico. O município tem no setor agrícola uma fatia considerável de sua receita. A maior parte do PIB deriva-se do setor dos serviços, seguido pela indústria e a agricultura.


Geografia
Nova friburgo possui 846 m de altitude na sede da prefeitura, sendo que em alguns bairros e distritos do munínicipio a altitude chega até 1000 m ou mais.


Picos e morros
Pico Maior de Friburgo - é o ponto culminante da Serra do Mar, com altitude de 2.316 metros
Pico Médio de Friburgo - 2.285 metros
Pico Menor de Friburgo - 2.262 metros



Pico Maior de Friburgo - Ponto culminante da Serra do Mar - 2316m.Pico da Caledônia - com altitude de 2.219 metros, embora existam publicações informando até 2.255 metros
Pedra do Capacete - 2.200 metros
Morro do Ronca-Pedra - 2.080 metros
Pedra Cabeça de Dragão - 2.018 metros
Pedra da Catarina Mãe - 1.620 metros
Pedra do Imperador - 1.530 metros
Pedra Riscada - 1.425 metros

Clima
Nova Friburgo possui um clima tropical de altitude, com invernos frios e secos e verões amenos e humidos; A temperatura média do município é de 18°C. Há registros de temperaturas negativas e até neve ao longo do século XIX. A maior temperatura foi de 37°C, no dia 27 de janeiro de 1986, A menor temperatura registrada oficialmente foi de -2,5ºC, no dia 15 de julho de 1892. A caso de invernos rigorosos em que as temperatura ficam entorno de 8°C ou menos em pleno dia e a noite ficam entorno de 2°C até 0°C como no inverno de 1975, mais são raros esse casos. E os picos e morros ao rendor da cidade o frio e mais intenso.

IMAGEM CLIMA

Hidrogafia
Nova Friburgo é banhado pelas bacias do Rio Grande, do Rio São José e do Rio Macaé. Os principais rios que cortam a cidade são: Rio Santo Antônio, Rio Cônego e o Rio Bengalas, que se forma ápos o encontro destes rios.

Etnias
A maioria dos friburguenses, 70,1% da população, é de cor branca, seguido de pardos representando 18,6%, negros com a fatia de 8,7% e 2,6% de origem asiática ou ameríndios.

Etnias básicas:
portugueses
suíços
alemães
italianos
austríacos
espanhóis
libaneses
africanos
húngaros

Turismo

Nova Friburgo é um lugar muito interessante para se visitar. Alguns distritos do município de Friburgo, como Lumiar e São Pedro da Serra, têm paisagens naturais famosas, e a maior rede hoteleira do interior do estado do Rio de Janeiro.

Entre os atrativos turísticos do município, mais conhecidos são:

A Queijaria Escola FRIALP, situada na RJ-130
O Parque de Furnas do Catete, na RJ-116 onde se localiza a Pedra do Cão Sentado
A Praça Getúlio Vargas
O maior teleférico de cadeiras do país, situado na Praça do Suspiro
O Nova Friburgo Country Clube, onde se localiza o Chalé do Barão de Nova Friburgo (1860);
O Colégio Anchieta (Nova Friburgo)
O Encontro dos Rios
A Pedra Riscada
O Pavilhão das Artes no bairro do Cônego.
As inúmeras cachoeiras e balneários.
Praça do Suspiro: recanto onde se encontram o teleférico, a Igreja de Santo Antônio, o Largo da Poesia, A Fonte dos Suspiros, O Tiro de Guerra e o Corredor Cultural, construído em homenagem às dez colônias que formaram a população da cidade.


Referências
Estimativas - Contagem da População 2007. IBGE. Página visitada em 14 de Novembro de 2007.
Dados gerais na página da prefeitura municipal de Nova Friburgo, no ponto mais alto a altitude chega a 2.300. Visitado em 26 de junho de 2007.


www.visitenovafriburgo.com.br
© Hotel Mount Everest :: Rua Manuel A. Ventura, 75 Centro - Nova Friburgo. Telefone: (22) 2522-7350 / 2522-7448